Skip to main content
UFF - Universidade Federal Fluminense

Música Antiga da UFF

Sessões:
13/11 (Ter) 18:00

 

A Dança da Morte: a certeza do fim

A consciência de si, de sua finitude, além da capacidade de se expressar através da Arte, caracteriza a existência humana e singulariza o ser humano perante os outros seres do planeta. Por ocasião da virada do primeiro milênio, a Europa vivia atemorizada pela iminência do fim do mundo. Dentro deste contexto, em torno do século X, surgiu o Canto da Sibila, sacerdotisas do templo de Apolo que tinham o poder da profecia.

Durante a Idade Média, surgiram versões do Canto da Sibila em línguas vernáculas. Elas aparecem como personagens em diferentes versões teatrais do Ordo Prophetarum que sobreviveram em diversos manuscritos por toda a Europa. As palavras da Sibila anunciavam o fim do mundo e a segunda vinda do Cristo que julgará os vivos e os mortos.

A Dança da Morte surgiu em meio às epidemias e perturbações sociais ocorridas ao longo do século XIV. As danças macabras (do árabe: kabr=túmlo; makbara=cemitério) realizavam-se nos cemitérios. Sua origem era o Chorean Machabacorum instituído pela Igreja para ensinar a todos que a morte era inevitável.

O objetivo era lembrar a incerteza da hora da morte e a igualdade dos homens diante dela. Todas as idades e todos os estados desfilam numa ordem de acordo com a hierarquia social da época: Adão, Eva, o anjo que os expulsou do paraíso, um esqueleto humano representando a morte e empunhando enorme foice, o rei ou imperador, o papa, o cardeal, cavalheiros, cortesãos, burgueses, mendigos, pagãos e judeus. A dança fazia a sua aparição avisando a todos os homens, de todas as idades e categorias sociais que, apesar das expectativas criadas nesta vida, a única certeza era a morte: Vamos todos para a morte, desistamos de pecar.

PROGRAMA

La seconde estampie Royal - Anônimo séc. XIV

Ad mortem festinamus - Anônimo séc. XIV

Veritas Arpie - Anônimo séc. XIV

A Virgem mui groriosa – Afonso X séc. XIII

Polorum Regina - Anônimo séc. XIV

Nembresse te madre - Afonso X séc. XIII

Loar devemos a Virgem - Afonso X séc. XIII

Se muito non amamos – Afonso X séc. XIII

O Virgo splendes – Anônimo séc. XIV

De Santa Maria sinal qual xe quer – Afonso X séc. XIII

Madre de Deus - Afonso X séc. XIII

Passacalia de la vita – Stefano Landi (1586 – 1639)

Forças da Natureza – João Nogueira

 

Música Antiga da UFF
Leandro Mendes, Mario Orlando e Virgínia Van der Linden

Músicos convidados
Lenora Pinto Mendes, Márcio Paes Selles, Sônia Wegenast (canto) e Gustavo Jimenez (harpa)

Direção Artística Ronald Teixeira

Iluminação Rafael Grampola

Sonorização Hilnete Vargas

Coordenação de Palco Sheila de Lucas

13 de novembro de 2018
Terça – 18h
Teatro da UFF
Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí – Niterói/RJ
Ingressos: R$ 14 | R$ 7 (meia)
Classificação etária: Livre
Informações: 3674-7512 | a partir de 14h

VÍDEO

Sem vídeos no momento

Você também pode gostar...

Procure outras atrações

Notícias - Música

0 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

WordPress Video Lightbox Plugin