Tempero Musical

OSN – TEMPERO MUSICAL

OSN – TEMPERO MUSICAL –  Orquestra Sinfônica Nacional UFF 60 anos

Em julho 2020, durante a quarentena, a OSN UFF estreou seu novo programa: OSN Tempero Musical com o objetivo de diversificar as abordagens sobre o conteúdo de música. O programa propõe uma analogia entre os rituais de cozinhar, obrigatórios para quase todos nesse período de isolamento social, e os de estudo do músico.

Elementos como organização, concentração, funcionalidade, objetivos e busca de resultados a curto, médio e longo prazos serão abordados numa conversa na cozinha sobre música e as semelhanças de experimentação e solidificação de técnicas entre esses dois universos.

Episódio: “Ora pro nobis, Bacalhau!”

O “Barroco Mineiro”, a música colonial, a chegada da música erudita ao Brasil com a vinda da família Real portuguesa. Nasce a nossa música de concerto!

1746: quando na Europa surge a primeira escola vienense a qual pertenceram Mozart, Haydn e Beethoven, nasce Emérico Lobo de Mesquita: Organista, maestro, professor e compositor mineiro, patrono da cadeira número 4 da Academia Brasileira de Música.

1770: nasce Beethoven na Alemanha e é inaugurada a “Casa da Ópera de Vila Rica”, hoje, Teatro Municipal de Ouro Preto, teatro mais antigo da América do Sul.

1798: nomeado mestre da Capela Real e professor da Catedral do RJ o carioca José Mauricio Nunes Garcia, apesar de padre teve 5 filhos com Severiana Rosa de Castro. Mulato, descendente de escravos, pobre de nascimento, porém dada sua escolha eclesiástica recebeu uma educação formal sólida. Compôs mais de 400 obras, com mais de 240 delas catalogadas. Responsável pela estreia brasileira do Requiem de Mozart em 1819. Patrono da cadeira número 5 da Academia Brasileira de Música. Um dos nomes mais representativos da música brasileira de todos os tempos e mais importante de sua geração.

Prato: Cuzcuz de bacalhau e ora pro nobis!  Uma homenagem a Portugal e Minas Gerais.

Ingredientes:

2 xícaras de farinha amarela de milho
500ml aproximadamente da água do cozimento do bacalhau
2 xícaras de bacalhau cozido, dessalgado e desfiado
1/2 xícara de azeitonas picadas
1 xícara de cebola roxa picadinha
1 xícara de pimentão vermelho picado
1 xícara de pimentão verde picado
1 xícara de queijo parmesão ralado grosso
5 ovos cozidos (picado para misturar na massa e rodelas para decoração)
1 xícara de couve mineira picadinha
2 xícaras de ora pro nobis picadas (separar algumas folhas inteiras para decoração)
Sal “cauteloso” a gosto
1 colher de sopa cheia de alho picado
Pimenta do reino moída a gosto

Preparo: Refogar em azeite as cebolas em pouco sal, alho e pimentões por 5 minutos. Acrescentar a couve, as azeitonas e o ora pro nobis picados. Juntar à mistura os ovos cozidos picados. A água de cozimento do bacalhau aquecida é levada à nossa mistura formando uma espécie de “sopa”. Cozinhar em fogo baixo por 10 minutos e adicionar a farinha de milho amarela mexendo bem até que a mesma seja totalmente incorporada, juntando o queijo parmesão e apagando logo o fogo. Numa forma, ou potes grandes ou pequenos, untar com bastante azeite e “colar” no mesmo folhas inteiras de ora pro nobis e rodelas de ovos cozidos. Despejar toda a massa na forma, compactando-a, e na sequencia levar a geladeira. Desenformar e servir como lanche ou parte de refeição, gelado ou quente, regado com mais azeite extra-virgem. Bom apetite!

 

Fernando Thebaldi
Indicado ao Grammy Latino 2012 com o CD “Quartetos de Cordas” do Prelúdio 21, premiado quando ainda era viola do Quarteto Radamés Gnattali como Melhor Conjunto de Música de Câmara do Brasil na 13a. edição do Prêmio Carlos Gomes em 2009, Fernando Thebaldi já atuou como solista da Orquestra Petrobras Sinfônica, Orquestra Sinfônica Nacional da UFF, Orquestra Sinfônica da UFPb, Ars Musica de Rotterdam e Orquestra Municipal de Asunción no Paraguai. Thebaldi é o único violista brasileiro a gravar em DVD e Bluray todos os 17 quartetos de cordas de Villa-Lobos. Seu últimos CDs, lançados respectivamente em 2018 e 2019 ao lado da pianista Yuka Shimizu e do clarinetista Cristiano Alves, contém obras para viola de Ricardo Tacuchian, compositor que dedicou a Thebaldi 2 obras: “Tomilho” para viola solo e “Miniaturas” para viola e piano. Violista e um dos diretores artísticos da Orquestra Petrobras Sinfônica bem como integrante da Orquestra Sinfônica Nacional da UFF desde 2006, frequenta como cozinheiro amador, aulas regulares de gastronomia, harmonização e degustação promovidas por Estilo Gourmet Sabor Culinário.


13 de agosto de 2021
Sexta | 10h
Redes sociais do Centro de Artes UFF e OSN UFF