Conteúdo Principal
UFF - Universidade Federal Fluminense
kuvars klinik dudak dolgusu ankara kolaybet en iyi casino siteleri vdcasino vdcasino giriş vdcasino sorunsuz giriş Sultanbet vdcasino yeni giriş gaziantep escort diyarbakır escort istanbul escort

 

‘‘(…) No asfalto da rua era a corrida dos carros, apitos, trilos, largo bater de patas de cavalos (…) carroções em disparada, cornetas de automóvel buzinando arredas, gente a correr, ou parada nos refúgios, à espera de um claro para poder passar, o estrépito natural do instante, à hora da noite nas cidades. Nas calçadas uma dupla fila de transeuntes sempre a renovar-se (…)’’.

Extraído do conto ‘‘A mais estranha moléstia’’, texto de João do Rio publicado em 1911.

Histórica: AGCRJ – Acervo Augusto Malta – Avenida Central

Contemporânea: Foto Ana Cláudia Fernandez – Praça XV

 

 

“Havia na voz do pastor um justo orgulho. Eu emudeci um instante, acompanhando-o. Nesta cidade de comércio, em que o dinheiro parece o único deus, homens moços e fortes pregam a bondade de porta em porta como os pobrezinhos pedem pão!”

Trecho de João do Rio em ‘As religiões no Rio”, publicado em 1906.

Histórica: AGCRJ – Cinema Colonial

Contemporânea: Foto Eduardo Moraes – Fé

 

 

“No espírito humano a rua chega a ser uma imagem que se liga a todos os sentimentos e serve para todas as comparações. Basta percorrer a poesia anônima para constatar a flagrante verdade. É quase sempre na rua que se fala mal do próximo”.

Trecho de João do Rio extraído no conto ‘A Rua”, publicado em 1908.

Histórica: AGCRJ – Desmonte da Favela do Pasmado

Contemporânea: Foto Geandra Nobre – Arco-íris nasceu no Morro do Timbau

 

 

“Se as ruas são entes vivos, as ruas pensam, têm ideias, filosofia e religião (…). Ruas assim ainda mostram o que pensam. Talvez as outras tenham maiores delírios, mas são como os homens normais — guardam dentro do cérebro todos os pensamentos extravagantes. Quem se atreveria a resumir o que num minuto pensa de mal, de inconfessável, o mais honesto cidadão?”

Trecho de João do Rio extraído no conto ‘A Rua”, publicado em 1908.

Histórica: AGCRJ – Carnaval de rua

Contemporânea: Foto Luiz Baltar – Fluxos -> Carnaval -> Paisagens mutantes

 

“— Mas é um fato. Só as coisas absolutamente insignificantes dão a sensação do passado. Eu já tive essa sensação, não solitariamente, como me aconteceria cheirando um frasco de perfume (…), mas num salão de baile, num dia de baile. E até jamais esquecerei a sensação porque vi, olhei, encarei e sofri o miserável passado com toda a sua imensa insignificância”.

Trecho de “A Sensação do Passado”, texto de João do Rio publicado em 1911.


A rua aqui é palco e espelho de tempos que se encontraram como se fosse possível em alguma esquina de 2021 avistarmos o Rio de Janeiro por onde andou João do Rio, lá pelo encontro dos séculos XIX e XX.

O escritor que narrou em suas crônicas e contos a cidade em seu imenso vapor, fervilhando de novidades naquela época, acabou gerando um documento que, sem esquecer da dura realidade, nos chegou lotado de lirismo sobre a mudança que a capital estava passando; e assim se fez um dos melhores retratos do Rio. O Rio assumia ali uma tensão típica de quem estava escolhendo revolucionar costumes através das transformações aplicadas na horizontalidade das ruas e nas diagonais dos morros. Era a cidade que virou símbolo do país tropical tentando se encaixar em planos urbanísticos modelados em uma Europa da bela époque; fria e distante das nuances que o Rio possuía (e possui).

É justamente nesse cruzamento do que foi e do que é que as imagens dessa exposição ganham força. Por mais singelas que elas possam parecer, podemos ver nas mesmas faíscas de temas imensamente caros à nossa história, como sinais da colonialidade, alguns jogos de poder e como o tal modelo de urbanização desenhou o que soa hoje como características naturais da cidade.

Para percorrermos esses trajetos entre tempos, conta-se aqui com a indispensável colaboração do Arquivo Geral da cidade do Rio de Janeiro, que cedeu a veiculação de imagens antigas de seu riquíssimo acervo para essa exposição. Para fazer par a essa parceria, conta-se também com a colaboração das fotógrafas e dos fotógrafos Ana Cláudia Fernandez, Eduardo Moraes, Geandra Nobre e Luiz Baltar. A todas e todos, nossos agradecimentos.

 

CRÉDITOS

Coordenação de Artes – Pedro Gradella
Gerência Artes Visuais – Suane Queiroz
Textos – Alan Adi
Produção – Alan Adi, Aline dos Santos, Carla Fernandes, Neide Ribeiro e Gisela Chinelli.
MediArte – Carla Fernandes
Web Design – Maxini Matos

WordPress Video Lightbox Plugin