Conteúdo Principal
UFF - Universidade Federal Fluminense
kuvars klinik kedi maması dudak dolgusu ankara elektronik sigara betgaranti deneme bonusu veren siteler maksibet deneme bonusu betpark betgaranti Deneme Bonusu Bahis Forum bonus veren siteler 1xbetcarat.com - 1xbet blog sitesi drinkstjames.com - süperbetin blog sitesi betpasyeni.com deneme bonusu vdcasino vdcasino giriş vdcasino sorunsuz giriş vdcasino yeni giriş gaziantep escort istanbul escort gaziantep escort bayan kocaeli escort escort bodrum escort görükle samsun escort betpasyeni.com

TUDO

Sessões:
17/08 (Qua) 20:00 - 18/08 (Qui) 20:00

 

Três fábulas morais (“como as de Esopo, mas sem animais”) compõem o espetáculo “Tudo”, que traz o olhar do diretor Guilherme Weber para a obra do dramaturgo argentino Rafael Spregelburd. A peça, que fez sua pré-estreia no 30º Festival de Curitiba, realizou sua primeira temporada no Rio de Janeiro, nos meses de junho e julho, obtendo grande visibilidade e sendo indicada a 6 categorias no Prêmio Cesgranrio. O elenco é formado por Julia Lemmertz, Dani Barros, Vladimir Brichta, Claudio Mendes e Márcio Vito.

As fábulas levadas à cena investigam o indivíduo em confronto com o poder a partir de três perguntas. A primeira (“Por que todo Estado vira burocracia?”) apresenta um grupo de funcionários vivendo suas rotinas em uma repartição pública, quando começam a questionar valores impostos e alguns comportamentos absurdos. A segunda (“Por que toda arte vira negócio?”) mostra os convidados de um jantar de natal que dão início à ceia somente após uma contundente discussão sobre valores absolutos e particulares do pós-modernismo. A terceira (“Por que toda religião vira superstição?”) traz um casal e seu filho recém nascido que fica doente em uma noite de tempestade.

Para Weber, Spregelburd é uma das vozes mais originais da dramaturgia contemporânea, atento às questões latino-americanas, mas com olhar profundamente universal e humano. “Montá-lo no país é também uma compreensão de nossa identidade como latino-americanos, atravessada pela história do continente. O Brasil, pelo seu tamanho e pluralidade, é uma espécie de lente de aumento dos impasses da problemática latino-americana; uma espécie de fantasma no qual todo o continente vê seus medos e desejos. Situar no Brasil estas fábulas morais é ressignificar, sob a ótica nacional, as contradições de nossa identidade e o surrealismo da obra de Spregelburg”, observa Weber.

A escrita de “Tudo”, conta ele, foi comissionada por um festival de teatro na Alemanha que celebrava, em 2009, os vinte anos da queda do Muro de Berlim, e tinha como tema “ideologias em colapso e questionamento das identidades.” A resposta de Spregelburd à ideia imposta de dissolução foi a de falar de totalidade, ou em suas palavras, “de absolutamente tudo.”

As cenas, aqui, se apresentam como perguntas sobre a transformação ideológica que qualquer sociedade passa. Ao tentar construir respostas, os personagens e os espectadores se deparam com temas como o absurdo das regras que definem um determinado grupo social, a dissolução das palavras e seus significados, a ausência de Deus e a inexorável presença da morte.

“Toda pergunta sobre ideologia implica uma estreita relação com o conceito de cidade/ comunidade. O que é que em um determinado momento torna-se a "identidade" de um povo? E o que a história faz aos povos? Acreditamos que nossa identidade é casual? Somos uma solidariedade partilhada perante o temor dos nossos colapsos coletivos?”, pontua o diretor. “Nesse sentido “Tudo” adquire, às vezes, o valor de um manifesto, mas que visa efeitos sensoriais e ambíguos e em nenhum momento cai na armadilha da arte que faz do discurso e do didatismo sua meta explícita”, diz o diretor. É uma comédia apresentada em ritmo de farsa.

Cientes da função da comédia em espelhar este momento complexo da nossa sociedade, os personagens destas fábulas vão nos fazer rir para castigar costumes.

 

Ficha Técnica:

De: Rafael Spregelburd 
Tradução e direção: Guilherme Weber 
Elenco: Julia Lemmertz, Dani Barros, Vladimir Brichta, Claudio Mendes e Márcio Vito
Cenografia: Dina Salem Levy - Figurino: Kika Lopes - Iluminação Renato Machado - Preparador corporal: Toni
Rodrigues. Diretora-assistente: Verônica Prates.
Produção: Quintal Produções
Direção geral: Verônica Prates
Coordenação artística: Valencia Losada
Produtor executivo: Thiago Miyamoto 


17 e 18 de agosto de 2022
Quarta e Quinta | 20h
Teatro da UFF
Rua Miguel de Frias, 9 - Icaraí, Niterói - RJ
Classificação: 14 anos
Ingressos: R$70 (inteira) - R$ 35 (meia)
Canais de venda: Guichê Web e Bilheteria

VÍDEO

Sem vídeos no momento

Você também pode gostar...

Procure outras atrações

0 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

WordPress Video Lightbox Plugin