Skip to main content
UFF - Universidade Federal Fluminense

SIMUPE 2019

De 24/04/2019 a 27/04/2019

 

III Simpósio de Música e Pesquisa da Orquestra Sinfônica Nacional UFF
A música brasileira - olhares e abordagens

A Universidade Federal Fluminense, por meio do Centro de Artes UFF, realiza a terceira edição do Simpósio de Música e Pesquisa da Orquestra Sinfônica Nacional. Um evento idealizado com o propósito de contribuir com a articulação entre performance musical e pesquisa em Artes, o SIMUPE busca integrar o corpo orquestral, suas ações de pesquisa no âmbito acadêmico e vivências que fomentam o pensamento reflexivo junto à comunidade.

Por ser um campo de diálogo aberto, o SIMUPE recebe, além dos pesquisadores, o público em geral. Assim, não se restringe apenas à comunidade acadêmica, proporcionando aos palestrantes o desafio de difundir seus trabalhos através de uma linguagem acessível, em um processo colaborativo com outros pesquisadores e de troca intensa com a comunidade.

Trata-se de um projeto que se renova a cada edição e que permite a proposição de novos processos de produção, sempre mantendo estruturalmente a formação de mesas de debates e incentivando a troca de experiências no campo da música.

A pluralidade de temas e metodologias de pesquisa permite ainda que se constitua um ambiente democrático, incentivado pela diversidade dos pesquisadores em música de diferentes estados do país.

Nesta terceira edição, o SIMUPE tem como temática a música brasileira nas suas diversas manifestações, não se restringindo apenas à música de concerto, mas construindo uma narrativa inclusiva e ampliada, intimamente relacionada com sua missão institucional.

Pesquisadores convidados de diferentes regiões do país abordarão perspectivas diversas sobre o fazer musical, desde elaborações sobre o mercado de trabalho e manutenção de acervos até a realização de performances e métodos de ensino-aprendizagem. Palestras e recitais-conferência também compõem a programação, contando com a participação de um público amplo, tendo a Orquestra Sinfônica Nacional e o Centro de Artes UFF como anfitriões de um cancioneiro brasileiro de pesquisas.

PROGRAMAÇÃO

Dia 24, QUA

9h

Mesa de Abertura
Palestra com membros da OSN e boas-vindas da coordenadora de música do Centro de Artes da Universidade Federal Fluminense, Juliana Amaral.

Recital Conferência -  Camerata de Esquina (UniRio/RJ)
Viver de Música Brasileira no Brasil sob a Perspectiva de Jovens Cameristas
O recital-conferência visa apresentar os desafios enfrentados por jovens cameristas universitários que optam por enfatizar o repertório brasileiro em seu programa artístico, levantando questões que fomentam profunda reflexão sobre a recepção da música brasileira nos diversos setores da sociedade. Com três anos de experiência em concertos nacionais e internacionais, a Camerata de Esquina expõe a sua      visão empírica acerca do espaço que a música do Brasil ocupa e os desdobramentos que essa posição acarreta.

Programa
Francisco Mignone - 2ª Seresta para quarteto duplo de cordas
Carlos Gomes - Sonata para cordas, 3° movimento

9h30

Mesa 1 - A música brasileira entre estilos e identidades
Dra.Regina Meirelles (UFRJ/RJ)
A Legitimidade Estética da Música Popular: Do Samba ao Hip-hop no Rio De Janeiro
No atual panorama cultural brasileiro, a produção musical é forçada a repensar seus parâmetros e até mesmo sua função social. É nesse contexto sócio-econômico de grandes mudanças sociais e crises identitárias que o século XXI desenha seu espaço para a produção cultural e para as novas formas de resistência política e cultural. Nesse espaço as expressões artísticas vindas da periferia das grandes cidades vêm surpreendendo com formas mais agressivas de comunicação, demonstrando o desejo de responder ao acirramento da intolerância racial, à exclusão social e às taxas de desemprego causadas por mecanismos econômicos e culturais globalizados, com formas muito mais contundentes. Sublinhar formas básicas e conceitos rítmicos de organização afro-brasileiros não significa expressar um ideal da tradição, pensada como material em estado bruto, ou como repertório musicológico do qual a cultura e seus sujeitos escolhem os elementos que traduziriam sua “identidade”. Significa salientar os processos estilísticos de (re) significação, transformações textuais e musicais, derivados de todos os cruzamentos possíveis de significados e significantes, em estados de transformação, inclusive estética, que passam pelo corpo e pelo comportamento. Esse artigo propõe uma reflexão sobre a produção musical da periferia, seja pelo aspecto do impacto de sua presença na mídia, ou como fator de inclusão social, sem deixar de lado a análise de seus aspectos estéticos, musicais e comunicacionais.

Dra. Ana Paula Lima Rodgers (UFRJ/RJ)
Orquestra das Flautas Sagradas: Simultaneidade  e Micro-diferença na Música Ritual dos Enawene Nawe
Os Enawene Nawe São Um Povo Indígena Falante de língua aruaque e habitante do sul da Amazônia Legal, ao noroeste do estado de Mato Grosso. Suas cerimônias rituais ostentam uma cultura musical excepcionalmente efervescente, a qual está instrinsicamente conectada com os ciclos ecológicos de provimento de alimentos e recursos materiais em geral. Toda essa intensidade levou o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) a registrar o principal rito enawene nawe (Iyaõkwa) como Patrimônio Cultural do Brasil em 2010. A situação contudo é dramática do ponto de vista do assédio que vêm sofrendo os povos indígena no Brasil e seus territórios, motivo por que em 2011 a UNESCO incluiu o bem imaterial numa Lista de Salvaguarda Urgente, reunindo registros de patrimônio cultural do mundo inteiro. Minha pesquisa de quase 20 anos participou ativamente desse e de outros processos importantes para os Enawene Nawe em sua história recente, tendo em vista seu foco sobre a música, tema infelizmente ainda incipiente dentre os estudos antropológicos sobre os povos nativos da América do Sul.

Para esta comunicação, apresentarei um rápido panorama do funcionamento do sistema ritual, que é definido em grande medida por determinados conjuntos de instrumentos musicais e classes de repertório a eles atinentes. No cerne desse sistema cerimonial e musical está uma dinâmica contínua de micro-diferenciação rítmico-melódica de grande sutileza e importância para este regime estético.

Dra. Mariana Salles (UniRio/RJ)
Sistema de Ferramentas para a construção do Interpretações Musicais.
Este palestra é um recorte da tese "Ciência na Arte- Arte na Ciência: aplicação de conceitos técnico-interpretativos e didáticos em obras para violino e piano de Marcos Raggio de Salles". Tratamos aqui das questões relativas ao estudo da interpretação e sonoridade nos instrumentos de cordas, notadamente o violino, passíveis de manipulação consciente, expostos em forma de gráfico para permitir a visualização panorâmica da organização de seus vários elementos.

Performance artística / Programa
Cláudio Santoro - Sonata para violino solo
Prelúdio
Allegro con brio
Lentamente
Allegro gracioso

12h

Recital de abertura
Música Popular Brasileira Instrumental
Andrea Ernest Dias – flautas (RJ)
Pedro Fonseca – piano (RJ)
Miguel Dias – baixo elétrico (RJ)

Programa
Tom Jobim
Passarim
Suíte para Gabriela

Edu Lobo
Vento Bravo

Pixinguinha
Rosa

Moacir Santos
Maracatu Nação do Amor: Coisa n.2
Coisa n.4

Miguel Dias
Para Deda

Dorival Caymmi Suíte
É doce morrer no mar
Morena do Mar
Pescaria

Dia 25 , QUI

9h

Mesa 2 - A herança do fazer musical, uma abordagem educativa e inclusiva
Dra. Ermelinda Paz (UFRJ/RJ)
Pedagogia Musical Brasileira nos Séculos XX E XXI: Um Breve Panorama
A palestra abordará os primeiros passos da concepção e desenvolvimento da pesquisa sobre 'As correntes pedagógico-musicais brasileiras' entre 1983 e 1990 - com a inserção de propostas metodológicas  surgidas a partir da década de 30 do século XX  e publicada em 1992 pelo Cadernos Didáticos da UFRJ - , passando pela 1. ed. do livro Pedagogia Musical brasileira no século XX, datada do ano 2000  e a última edição de 2013, onde são aduzidas algumas outras relevantes propostas e metodologias  que eclodiram no limiar do século XXI e sua repercussão no cenário da Educação Musical da atualidade.

Alessandra Alexandroff Netto (Projeto Música nas Escolas/RJ)
PROGRAMA ORQUESTRA NAS ESCOLAS – MÚSICA INSTRUMENTAL NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
O Programa Orquestra nas Escolas é uma ação da Rede Pública da Secretaria de Educação da Cidade do Rio de Janeiro. Criada em 2017, atende alunos das escolas municipais do Rio de Janeiro no contraturno e pós-turno com aulas de música por intermédio do canto coral e de instrumentos como cordas friccionadas, sopros (madeira e metais), percussão, flauta doce e cordas dedilhadas. O aluno participa de aulas de semanais centralizadas na união da teoria com a prática musical, com aulas coletivas de seu instrumento e momentos de Prática em Conjunto, desenvolvendo e exercitando nestas ações, seu desenvolvimento musical, participação social e valores como solidariedade, responsabilidade, autonomia, cidadania e protagonismo. Desta forma, a Música é trabalhada como um processo pedagógico, potencializando as ações de ensino e aprendizagem, ampliando as possibilidades de desenvolvimento do ser humano, bem como criando possibilidades de uma possível integração do jovem, futuramente no mundo do trabalho.

10h

Mesa 3 – Falando a partir do som: Língua, linguagem e música
Lucas Ciavatta (PUC/RJ)
A ALFABETIZAÇÃO MUSICAL — REFLEXÕES E PROPOSTAS
Algumas pessoas consideram a alfabetização musical com algo extremamente desejável num processo de educação musical — alguns até arriscariam classificá-la como fundamental. No entanto, conhecemos, no Brasil e mundo afora, excelentes músicos realizando músicas de grande complexidade sem serem alfabetizados musicalmente. Somado a isso, todos nós conhecemos músicos extremamente dedicados à leitura que apresentam, em determinadas situações, ou mesmo regularmente, preocupantes fragilidades musicais. Partindo de algumas situações vividas em diferentes contextos musicais, envolvendo a presença ou ausência da alfabetização musical, pretendo expor algo da complexidade que vejo neste processo tão importante e por vezes tão pouco discutido.

Milena Arca Nunes da Matta (Colégio Pedro II/RJ)
ENSINO DE MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM PROCESSO DE FAVORECIMENTO ALFABÉTICO
O trabalho apresenta uma abordagem prática educacional de intervenção (SANNINO E SUTTER, 2011) do professor de música na educação básica, feita no Centro Integrado de Educação Pública (CIEP) Presidente Samora Machel, durante o segundo semestre de 2017 e desenvolvida junto ao Programa de Residência Docente, vinculado à Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura do Colégio Pedro II. Parto do seguinte questionamento: como um professor de música pode favorecer um processo de alfabetização? Utilizo o livro de jogos musicais escrito pelo músico Estevão Fernandes, o contador de história Chico Marques e o pedagogo Carlos Nadalin e as três estratégias alfabéticas de Frith (1985). O texto encerra-se com o breve relato de minhas práticas, bem como, os resultados obtidos no processo de favorecimento alfabético.”

11h

Mesa 4 -  Música brasileira e memória: as reminiscências do som
Charlene Neotti (UFRJ/RJ)
ACERVOS MUSICAIS E AS ESTRÉIAS DO REPERTÓRIO DE MÚSICA BRASILEIRA
Um conjunto sinfônico ou de câmara lança-se anualmente ao trabalho de programar seus concertos, escolhendo seu repertório e avaliando o material disponível. Enquanto o acesso a partituras é um fator determinante desse processo, por outro lado, temos um volume considerável de fontes musicais acumuladas em orquestras, bibliotecas, Secretarias de Cultura, museus e coleções privadas, aguardando o seu tratamento, editoração e disponibilização. O lugar "acervo" é portanto um vasto “campo de trabalho" da musicologia, que aliada a arquivística apresentam novas possibilidades para a performance e exigem novas habilidades aos músicos. Nessa comunicação, o tratamento das fontes musicais e documentais contidas no Acervo Renee Devrainne Frank, acondicionada na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, guiará um percurso através dos múltiplos fatores do trabalho de campo, apoiado nos conceitos de Bruno Nettl.

Fátima Gonçalves (TMRJ/RJ)
DOCUMENTAÇÃO E ACESSO, VIA INTERNET, DOS PROGRAMAS DE ESPETÁCULOS DO PRIMEIRO CINQUENTENÁRIO DO THEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO (1909 A 1959)
A notícia da divulgação da documentação relativa aos programas de espetáculos referentes aos primeiros cinquenta anos do Theatro Municipal do Rio de Janeiro (1909 a 1959) motivou diversas matérias na mídia impressa, radiofônica e televisiva do país. Afinal, uma das instituições culturais mais importantes do Brasil, no ano das comemorações dos seus 110 anos, agraciou seu grande público e, em particular, os pesquisadores, com mais de 8.000 documentos que registram a memória desse lugar majestoso de expressão das artes cênicas. Ao longo de quatro anos, a equipe do Centro de Documentação do Theatro Municipal se empenhou para tratar tecnicamente o acervo de programas, cuidando de sua organização, catalogação, higienização e digitalização e acondicionamento. As informações e as imagens foram catalogadas numa base de dados comum a diversas instituições de memória do Estado do Rio de Janeiro: o SISGAM - Sistema de Gerenciamento de Acervos Museológicos. Esta plataforma é ampla e administrada pela Coordenação de Acervos da Superintendência de Museus da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro. Como uma das instituições que integram o SISGAM, o Centro de Documentação do Theatro Municipal adequou a plataforma a suas necessidades e, através da área do setor existente no sítio eletrônico do teatro - www.theatromunicipal.rj.gov.br , os documentos foram disponibilizados para consulta em janeiro de 2019. O Theatro Municipal do Rio de Janeiro, inaugurado em 14 de julho de 1909, se afirmou como um lugar estratégico para as apresentações das companhias líricas e teatrais europeias, já que as turnês costumavam trafegar pelas principais cidades da América do Sul. Grande parte das temporadas dessas companhias e seus respectivos repertórios, artistas, músicos e maestros estão agora disponíveis no site, assim como os programas de teatro, balé, ópera, os de recitais e de concertos. Merecem destaque as apresentações de Arthur Rubinstein, Magdalena Tagliaferro, as óperas e concertos com regência de Heitor Villa-Lobos, Francisco Mignone, além dos concertos da Sociedade de Concertos Sinfônicos regidos pelo grande compositor e maestro Francisco Braga e os da OSB, regidos por Eleazar de Carvalho.É verdadeiramente, uma viagem virtual pela história dos grandes espetáculos oferecidos

Dr. André Cardoso (UFRJ/RJ)
TRAZENDO À LUZ A OBRA DE JOSÉ SIQUEIRA A PARTIR DA ORGANIZAÇÃO DE SEU CATÁLOGO DE OBRAS
José Siqueira (1907-1985) foi um dos mais ativos músicos brasileiros do século XX. Sua importância pode ser avaliada não só por seu extenso catálogo de obras como também por sua atuação em instituições como a Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a Orquestra Sinfônica Brasileira, a Orquestra Sinfônica Nacional, a União dos Músicos do Brasil e a Ordem dos Músicos do Brasil, dentre outras. Após seu falecimento em 1985, sua obra ficou praticamente inacessível, sendo mantida em repertório a partir de um pequeno conjunto de peças constantemente executadas, cujas partituras se encontravam com alguns intérpretes e orquestras. A presente comunicação relata o processo de transferência do acervo de José Siqueira para a Biblioteca Alberto Nepomuceno da Escola de Música da UFRJ por doação da família do compositor, de organização do material, que possibilitou o conhecimento do conjunto total de sua produção, e de digitalização dos manuscritos e organização de seu catálogo de obras em projeto desenvolvido em parceria com a Academia Brasileira de Música. Apresenta, por fim, um levantamento quantitativo sumário das obras de José Siqueira por meio de execução.

12h

RECITAL  CONFERÊNCIA - Quarteto Kalimera (RJ)

Programa
Quarteto de Cordas n 4 - “Trópico de Capricórnio”
Dedicado a Fátima Tacuchian
1.Moderato (Tristes Trópicos)
2. Moderato. Allegro Vivace (Trópicos Emergentes)

Trópico de Capricórnio é um círculo imaginário de latitude mais ao sul do globo terrestre, no qual o sol aparece verticalmente ao meio dia. Este fenômeno ocorre uma vez por ano (solstício de dezembro). O círculo cruza três oceanos, três continentes e dez países (Brasil, Paraguai, Argentina, Chile, Austrália, Madagascar, Moçambique, África do Sul, Botsuana e Namíbia). Alguns destes países, tradicionalmente colocados à margem da história, estão, agora, no século XXI, assumindo um novo papel no mundo globalizado. Em seu quarto Quarteto de cordas no 4, o compositor optou por uma linguagem musical mais eclética, evitando certo maneirismo folclórico que o título poderia sugerir. A obra apresenta apenas dois movimentos: o primeiro mais calmo e introspectivo (“tristes trópicos”) e o segundo mais movido (“trópicos emergentes”). Ambos os movimentos apresentam uma grande economia de material temático.

O Quarteto de cordas no 4 “Trópico de Capricórnio” foi encomendado pela Funarte para ser estreado na XIX Bienal de Música Brasileira Contemporânea, em 2011.

 

Dia 26, Sexta

9h

Palestra
Dr. Eric Campos Alvarenga (UFPA/PA)
Doutor em Psicologia e professor do curso de Psicologia da Universidade Federal do Pará, desenvolvendo atividades relacionadas à Psicologia do Trabalho, Saúde do Trabalhador e Saúde Coletiva.

A CORAGEM DE TRABALHAR COMO MÚSICO DE UMA ORQUESTRA SINFÔNICA
Esta pesquisa analisa o que músicos da Orquestra Sinfônica da Amazônia de uma cidade da região norte do Brasil dizem em relação ao seu trabalho, verificando possíveis aspectos produtores de prazer e sofrimento psíquico. Psicodinâmica do Trabalho é o aporte teórico central. Ela estuda a saúde psíquica no trabalho, dando prioridade para a inter-relação entre sofrimento psíquico e as estratégias de mediação mobilizadas pelos trabalhadores para suportar o sofrimento e transformar, quando possível, o trabalho em fonte de prazer. Aqui foi utilizada uma análise metodológica qualitativa, fazendo uso de entrevistas individuais e coletivas como método de acesso à subjetividade dos trabalhadores. Nove músicos fizeram parte desse estudo. As entrevistas foram feitas com base na técnica específica de pesquisa e intervenção da Psicodinâmica do Trabalho, por meio de um roteiro semiestruturado. Utilizou-se a técnica de Análise de Núcleo de Sentido para examinar o material registrado. Com base nos resultados, é possível afirmar que a organização do trabalho destes músicos segue uma tradição secular e rígida, onde há pouco espaço para autonomia. Como há raro espaço para adequar as normas da organização do trabalho a seus desejos e necessidades, os músicos vivenciam sofrimento. Diante deste sofrer, “ser humilde” e assim, abrir mão de seus modos de interpretar as obras, é uma das estratégias coletivas para lidar com o dia-a-dia do trabalho. Sua atividade artística tem um grande poder de sublimação, sendo este o seu maior aliado para transformar o sofrimento em prazer.

 

10h

Mesa 5:  A busca da possível brasilidade no diálogo entre as culturas plurais
Dr. Pedro Belchior (UFF/RJ)
“SOU O MAESTRO DO MUNDO”: HEITOR VILLA-LOBOS (1887-1959) E A DIPLOMACIA MUSICAL BRASILEIRA
A comunicação pretende discutir o papel do compositor Heitor Villa-Lobos (1887-1959) na diplomacia musical do Brasil entre as décadas de 1920 e 1950. O conceito de diplomacia musical busca definir as forças sociais – artísticas, intelectuais e políticas – envolvidas na estratégia de difusão da música brasileira no exterior, bem como os sucessos e as contradições dessa estratégia. Os objetivos de pesquisa articulam-se a um problema central: Villa-Lobos construiu para si a autoimagem de missionário, uma espécie de catequizador capaz de converter, por meio da música, uma massa inculta em um povo qualificado para uma nação civilizada e moderna. A linguagem musical serviria, nessa perspectiva, como instrumento para o progresso material e intelectual da nação. A instrumentalização da linguagem musical manifestou-se, na trajetória de Villa-Lobos, em duas vias: a pedagógica – por meio do programa de educação musical implementado ao longo do governo Vargas (1930-1945) – e a diplomática – especialmente a partir da década de 1930, quando Villa-Lobos atuou como missionário da música e emissário de Vargas em países da América e da Europa. Heitor Villa-Lobos ajudou a criar, no exterior, a imagem de um Brasil pujante, vigoroso, ao mesmo tempo primitivo e moderno. Trata-se, portanto, de uma dupla instrumentalização da música: educar a população no nível doméstico e construir no exterior a imagem de um Brasil novo. A comunicação discute o processo pelo qual Villa-Lobos se tornou o principal diplomata musical brasileiro e como essa atividade expressou interesses do Estado (em especial o Itamaraty) e dos músicos eruditos, além, é claro, dos interesses pessoais e profissionais do próprio compositor, cioso de conquistar novos mercados, para além do reduzido campo da música erudita no Brasil.

Spirito Santo (RJ)
ORGANOLOGIA AFRICANA E DECULTURAÇÃO MUSICOLÓGICA NO RIO DE JANEIRO
A progressiva perda do know how da produção de artefatos e utensílios diversos (inclusive instrumentos musicais) por parte de africanos na Corte e no interior da província do Rio de Janeiro, ocorrida, mais acentuadamente na virada do século 19 para o 20, pode ter sido um reflexo direto de um processo deliberado de deculturação, iniciado com o translado de milhões de africanos para o Sudeste do Brasil;

Este aspecto, apesar de ser dramático e muito relevante para a compreensão da cultura brasileira como um todo, já que formada também, em enorme medida por matrizes culturais africanas, tem sido pouco considerado pelos estudiosos em geral.

O fenômeno da proliferação inicial de uma inusitada e exuberante África sinfônica em plena Corte escravista, pode estar ligado, diretamente a alta rotatividade de escravos na Corte do Rio, ponto de concentração e baldeação - às vezes caótica - de escravos para as províncias vizinhas, situação que enseja a fixação de alguns desses escravos aqui mesmo, na Corte, utilizados em serviços típicos das grandes cidades da época, tarefas que permitiam algum lazer ou fruição artística para a prática de artesanatos e manufaturas, por parte de alguns artesãos ou músico-artesãos especialistas. 

A proposta da fala que proponho para o evento, ilustrada com alguns exemplos dessa organologia africana citada, é, portanto, expor, abordar esse tema de forma bem preliminar.

 

Dr. Pedro Mendonça (Colégio Pedro II e UFRJ/RJ) / Lucas Assis (UFRJ/RJ)
FUNK CARIOCA, RAP E SARAU: ATUAÇÕES ACÚSTICAS DA JUVENTUDE NEGRA URBANA
A proposta consiste em apresentar de maneira breve práticas sonoro-musicais contemporâneas protagonizadas pela juventude negra moradora de periferias das grandes cidades, em especial o Rio de Janeiro. Entendemos os bailes funk, as rodas de rima (Rap) e os Saraus negros como espaços de produção de saber, construídos sob bases de epistemológicas próprias e protagonizados por uma juventude, negra em sua maioria, cada vez mais ciente de seus direitos e das opressões que sofrem. Estas práticas possuem no nosso entender um lugar descolonizador, apresentando referências, práticas e teorias afroperspetivistas elaboradas em diáspora, e por isso são constantemente criminalizadas. Nossa ideia é abrir um debate sobre as potências performáticas, criativas, políticas e educacionais destes espaços.

Recital Conferência
Afrotelúricos
Afrotelúricos busca resgatar a essência de nossa Ancestralidade por meio do canto, da tradição oral, da dança e da percussão. Através de novos arranjos baseados em uma extensa pesquisa de obras musicais que fizeram parte da memória popular, o grupo leva ao palco um repertório alinhado às mais puras manifestações negras do país. Afro é tudo que nasce do ventre e da herança de África; Telúrico é o que vem da terra, somos filhos da terra. Por isso a necessidade de valorizar os saberes e fazenças dos nossos antepassados. Temos um repertório vasto que passeia pela cultura popular brasileira.
Nossas grandes referências são Clementina de Jesus, Djalma Correa, Os Afrosambas e o disco Canto dos Escravos. Percussão, violão e voz promovendo a tríade: canto, batuque e dança por meio da circularidade e das tradições orais. É o reencontro entre os Elementos da Natureza e das Esferas Místicas dos Orixás, do lúdico com os Brincantes e outros. Nossas pesquisas nascem do Canto dos Escravos universo lírico dos Vissungos, antigos mineradores africanos da região de Minas Gerais e se estende por toda cultura popular afro-brasileira.

FORMAÇÃO: Ana Rosa: Cantora, contadora de histórias e dançarina de ritmos da Cultura popular, Victor Hugo Rosa: Violonista, Nelci Pelé: Percussionista e Viny Fox: Percussionista, capoeirista e dançarino.
DIREÇÃO MUSICAL: Rodrigo Maré Souza  - PRODUÇÃO: Nathalia Grilo

Dia 27, Sábado

9h
PALESTRA: OSCAR GUANABARINO E AS POLÍTICAS CULTURAIS
Maria Aparecida dos Reis Valiatti Passamae (Orquestra Sinfônica do Espírito Santo-OSES/ES)
Oscar Guanabarino foi um ícone da crítica de arte, notadamente da crítica musical, desde as últimas décadas do séc. XIX até fins da Primeira República (1889 – 1930). Abordou diferentes assuntos ligados às artes em seus artigos críticos, inclusive as políticas culturais da sua época. Esta palestra propõe apresentar esses citados aspectos da produção crítica no contexto da obra Oscar Guanabarino e sua produção crítica de 1922. De sua perspectiva, a programação comemorativa do Centenário da Independência, em 1922, era o fato cultural mais relevante daquele ano. Nesse sentido, avaliou a infraestrutura montada para as comemorações do Centenário. O cenário artístico geral foi também objeto de análises de temas relacionados ora com a infraestrutura física da área artística ora com o desenvolvimento ou manutenção das estruturas dos recursos humanos para a produção da arte no mundo e no Brasil. Nessa linha, busca analisar também iniciativas de subvenção tanto estatais como privadas. Guanabarino observa que muitas óperas foram retiradas do repertório das temporadas por falta de cantores adequados. Quanto à infraestrutura, uma das principais questões, segundo o crítico, é de saúde pública: a febre amarela vitimou muitos artistas. Neste contexto, as dificuldades para a produção de eventos, como o do Centenário da Independência, eram enormes e tratava-se de avaliar a capacidade do Rio de Janeiro de manter uma estrutura autônoma para suas temporadas líricas. Nessa perspectiva, há, portanto, três linhas possíveis de reflexão: a primeira é uma análise da demanda; a segunda, a dos recursos humanos; e a terceira, a análise da infraestrutura física. Para implantar um programa autossuficiente, seria imprescindível adensar a demanda de tal forma que se obtivesse a massa crítica necessária para tornar o programa comercialmente rentável. Assim, apresenta um procedimento – ou modelo de gestão – que viabilizaria comercialmente o empreendimento. O contrato da prefeitura, contudo, era tão oneroso que precisaria de uma revisão sob pena de inviabilizar as temporadas musicais do Rio de Janeiro. Além disso, aborda a necessidade de uma orquestra profissional para a cidade. Tampouco se limitou ao Teatro Municipal. Analisa específica e oportunamente os locais dos grandes concertos no Rio de Janeiro numa avaliação geral da infraestrutura física dos equipamentos culturais da cidade. A formação de recursos humanos para a consolidação de um polo cultural permanente no Rio de Janeiro era questão fundamental. Guanabarino julgava absolutamente necessário o desenvolvimento técnico para o estabelecimento de, pelo menos, uma grande orquestra nacional no padrão das orquestras profissionais europeias. É nessa perspectiva que Guanabarino declara apoio à resolução da Câmara de Vereadores do Rio (o Conselho Municipal) que concede uma subvenção de 800 contos para a Sociedade de Concertos Sinfônicos. Seu apoio irrestrito à subvenção do governo municipal objetivava a profissionalização da Orquestra do Rio. Por fim, a infraestrutura física existente.

09h30

Mesa 6: A música e os aspectos sociais, abordagens, críticas  e o mercado de trabalho para a performance
Dra. Valéria Pilão (Uninter e UTP/PR)
A LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA E O PROCESSO DE ACUMULAÇÃO DO CAPITAL
Ao se debruçar sobre a produção artística no Brasil com o intuito de desvendar  o seu processo de fomento, necessariamente, o pesquisador se defrontará com as leis de incentivo à cultura que atualmente estão presente nos diferentes níveis do pacto federativo, ou seja, municipal, estadual e federal. Na presente apresentação destacar-se-á a lei de incentivo federal, a Lei nº 8.313/91, popularmente conhecida como Lei Rouanet. Esta lei ao ser executada medeia a relação entre as produções (produtores) artístico-culturais e as empresas. Estas últimas utilizam-se da renúncia fiscal oferecida pelo Estado para inicialmente promover sua marca. Mas se equivocam os que acreditam que o interesse na lei encerra-se na renúncia obtida. A pesquisa realizada sobre a Lei de incentivo durante os anos de 2003-2013 demonstrou que esta política pública de caráter neoliberal (crescentemente incrementada durante as gestões petistas) está alinhada ao momento de acumulação do capital com predominância financeira e que os setores com tendências à concentração de capital são os diretamente beneficiados com a intensificação da mercantilização da cultura. Reconhece-se, por meios dos dados analisados, que há um movimento de centralização na utilização da lei de incentivo em determinados setores da economia brasileira – 12 deles concentram 79,03% de todo o montante destinado pela lei ao fomento cultural – e nesses setores há novamente um movimento de centralização dos recursos em poucas empresas concorrentes. Assim, a lei de incentivo ao ser aplicada contribui de forma institucionalizada para os processos de produção e reprodução do capital tanto de setores nacionais como internacionais e especulativos.

Dra. Luciana Requião (IEAR/UFF e UNIRIO/ RJ)
"CANTANDO NO TORÓ": UMA PERSPECTIVA CRÍTICA ACERCA DO PAPEL DA CULTURA NO CAPITALISMO TARDIO E A SUPEREXPLORAÇÃO DO TRABALHO NO MEIO MUSICAL
Nos últimos 15 anos venho buscando compreender as formas como a cultura – e o trabalho daqueles que atuam nesse setor – vem sendo apropriada por mecanismos de exploração próprios à atual fase do modo de produção capitalista. Como objeto específico de pesquisa, venho desenvolvendo estudos junto a músicos vinculados ao Sindicato dos Músicos do Estado do Rio de Janeiro (SindMusi) com o intuito de compreender a realidade em que vivem e trabalham. Através deste estudo busco subsídios para a compreensão da realidade do trabalho do músico – em geral informal e precarizado – frente aos números apresentados pelas estatísticas oficiais que apontam para “dados promissores” do setor para a economia brasileira.

Bernardo Fantini (Sindicato dos Músicos do Rio de Janeiro/RJ)
CAMINHOS DA PESQUISA ATUAL NA PERFOMANCE E ENSINO DE MÚSICA CONTEMPORÂNEA PARA VIOLA NO BRASIL: UMA PERSPECTIVA
A palestra a ser apresentada propõe-se a traçar um pequeno quadro da pesquisa em relação ao repertório contemporâneo para viola , ensino e aplicabilidade de literatura já existente abordando questões relativas a técnicas estendidas para o instrumento. Em relação à viola, apesar do escasso material apresentado em termos de escrita pós- tonal utilizado no Brasil, alguns pesquisadores já estão atentos às possibilidades que uma incipiente metodologia relacionada ao tema pode trazer em benefício para a técnica dos violistas brasileiros. É o caso do método Viola Spaces (2009), do compositor e violista Garth Knox (1956), objeto do artigo dos pesquisadores Martinêz Gelimberti Nunes e Carlos Aleixo dos Reis: “A performance de técnicas estendidas a partir dos estudos Viola Spaces de Garth Knox e sua aplicabilidade na Sequenza VI de Luciano Berio”. Pretendo apresentar minha contribuição para a pesquisa neste campo, aprofundando a formação dos intérpretes violistas ao longo da trajetória do curso de viola na UFRJ e a pesquisa sobre a introdução da escrita pós-tonal entre os músicos dedicados à viola hoje, em especial relativa ao método Viola Spaces de Knox como contribuição ao enriquecimento da performance em música contemporânea da viola.

11h

Mesa 7: Território, música e nacionalidade: uma articulação possível?
Raul D’oliveira (Orquestra Sinfônica Nacional UFF/RJ)
CATÁLOGO DE GRAVAÇÕES E PERIÓDICOS: A ORQUESTRA SINFÔNICA NACIONAL EM 1965
Defendida por este autor em 2013, a dissertação de mestrado intitulada A Orquestra Sinfônica Nacional e sua história: catálogo comentado das gravações realizadas pela Rádio MEC entre 1961 e 1963 é o ponto de partida para a presente palestra. Na primeira edição do SIMUPE apresentamos a sequência do catálogo de gravações da orquestra com foco em 1964. Desta vez a pesquisa avança para o ano de 1965, descrevendo as gravações realizadas, e revelando as ações institucionais desenvolvidas pela Rádio Ministério da Educação e Cultura – à qual a OSN era vinculada – no sentido da difusão da música brasileira de concerto. Os periódicos Correio da Manhã e Jornal do Brasil são as fontes primordiais da investigação, que também aponta um cenário de crise no campo da música sinfônica no então Estado da Guanabara.

Dra. Angelica Lovatto (UNESP – Marília/SP)
POLÍTICA E NACIONALISMO NA CULTURA BRASILEIRA: A EXPERIÊNCIA DOS CADERNOS DO POVO BRASILEIRO
O objetivo desta exposição é resgatar a importância que o nacionalismo teve para a cultura brasileira no auge dos anos 1960-64 e a necessidade de atualizar a discussão do nacional-popular hoje. Radicalmente interrompida com o golpe de 1964, uma Coleção muito importante foi esterilizada e suprimida da cultura brasileira nos anos que se seguiram à ditadura. Era um Brasil contado pelo Cadernistas do ISEB (Instituto Superior de Estudos Braisleiros), com conteúdo histórico-político que tratava de temas como as possibilidades e o programa da revolução brasileira e da riqueza econômica e cultural que isso geraria para as gerações vindouras. Tudo acabou com o golpe. Por que trazer de volta os Cadernos do Povo Brasileiro? Para reavivar nossa memória e nossa cultura e avançar numa direção superadora, que valorize a originalidade ainda pouco (re)conhecida em nosso país.

12h

Recital Conferência
Ana de Oliveira e Sérgio Ferraz (RJ)
MÚSICA INSTRUMENTAL BRASILEIRA E DO MUNDO PARA VIOLINOS, RABECAS, GUITARRAS E OUTROS SONS.
A violinista Ana de Oliveira e o compositor e multi-instrumentista Sérgio Ferraz se encontraram em 2018 durante o MIMO Festival em Olinda. A partir deste encontro casual, muitas ideias, experiências, anseios e histórias têm se transformado em música instrumental da melhor qualidade, unindo o violino contemporâneo da paulistana radicada no Rio de Janeiro Ana de Oliveira às múltiplas sonoridades do compositor, guitarrista e violinista pernambucano Sérgio Ferraz. O Duo aborda em sua estreia repertório de autores brasileiros com principal enfoque em obras pouco executadas de compositores que foram influências e são referências comuns aos dois artistas, como Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Tom Jobim, Villa-Lobos, entre tantos outros.

24 a 27 de abril de 2019
9h às 13h
Cine Arte UFF
Rua Miguel de Frias,9 - Icaraí, Niterói - RJ
Inscrições gratuitas realizadas diariamente, no local do evento, a partir das 8h30
Os participantes receberão certificado de participação.

VÍDEO

Sem vídeos no momento

Você também pode gostar...

Procure outras atrações

Notícias - Notícias

Sem notícias no momento

Composta por VÍDEOS MUSICAIS, esta atividade tem o objetivo de trazer para as redes sociais e demais plataformas audiovisuais as tradicionais Séries da OSN UFF.

Entre Julho e Setembro estão previstos 2 vídeos musicais por mês, lançados quinzenalmente, conforme ocorria com os concertos presenciais.

Sobre a obra
Escolhemos trazer o Rio como “um pouquinho de Brasil”.

Música: Isto aqui o que é – Ary Barroso
Arranjo – Rafael Castro Barros
Vídeo com toda a orquestra
Conceito – aproveitamos a ideia da letra da música e vamos trazer imagens aéreas do rio, com algumas cenas que ressaltam a cultura carioca – feita pelos músicos da OSN, além das cenas dos músicos tocando.
O roteiro segue a letra da música para trazer as referências deste “pouquinho de Brasil”.

“Isto aqui, ô ô
É um pouquinho de Brasil iá iá
Deste Brasil que canta e é feliz
Feliz, feliz,

É também um pouco de uma raça
Que não tem medo de fumaça ai, ai
E não se entrega não

Olha o jeito nas ‘cadeira’ que ela sabe dar
Olha só o remelexo que ela sabe dar (Repete)

Morena boa, que me faz penar
Bota a sandália de prata
E vem pro samba sambar”

 

ARY DE RESENDE BARROSO (fonte: Itau Cultural)

07-11-1903 Ubá-MG   –   09-02-1964 Rio de Janeiro-RJ

Compositor, pianista, locutor esportivo e apresentador de programas de rádio e televisão. Aos 6 anos, órfão de pai e mãe, é criado pela avó e pela tia Rita Margarida de Resende, com quem tem aulas de piano. Aos 12, é o pianista de fundo musical para filmes mudos em Ubá.

Em 1922, muda-se para o Rio de Janeiro e matricula-se no curso de direito na Universidade do Rio de Janeiro (atual Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ). Começa a tocar piano no cinema e em orquestras de jazz, como a Trianon, de Alarico Paes Leme; a American Jazz, de José Rodrigues; e a Jazz Band Sul-Americana, de Romeu Silva. Nesse momento, inicia a atividade de compositor. No fim de 1928, tem os sambas Tu Queres Muito e Vou a Penha gravados por Mário Reis e Artur Castro, respectivamente.

Ganha em 1930 o primeiro lugar no concurso musical da Casa Edison, no Teatro Lírico, com a marcha carnavalesca Dá Nela, gravada no mesmo ano por Francisco Alves. Indicado pelo tio e deputado Alarico Barroso, viaja para Nova Resende, Minas Gerais, para assumir o cargo de promotor público. No entanto, não demonstra aptidão para a magistratura e retorna ao Rio de Janeiro para dedicar-se profissionalmente à música. A convite de Marques Porto e Luiz Peixoto, passa a compor para o teatro de revista. Também rege espetáculos e divide a autoria das revistas teatrais, como em Brasil do Amor, parceria com Porto. Na época, suas músicas chegam ao disco na voz de cantores como Francisco Alves e Carmen Miranda.

Quando a rádio se afirma como veículo de comunicação de massa no início dos anos 1930, Renato Murce o contrata para o programa Horas do Outro Mundo, da Rádio Philips. Ary Barroso fala sobre teatro, cinema e música popular, além de apresentar cantores, contar anedotas e tocar piano. É o início de sua carreira como comunicador, e também como locutor de futebol. Destaca-se pela originalidade da locução e por seu temperamento, que o leva a estar sempre às voltas com alguma polêmica. Flamenguista fanático, não esconde a preferência nas locuções futebolísticas, fato que o singulariza ainda mais. Sempre utiliza uma gaita, que é tocada na comemoração de um gol. Para sofisticar muito mais as transmissões, cria a figura do repórter de campo e do comentarista esportivo. Ganha grande popularidade como apresentador de programas de calouros, tanto na rádio quanto na televisão, e revela futuras estrelas, como Elza Soares.

Dos seus inúmeros sucessos, o samba-exaltação Aquarela do Brasil (1939) tem mais destaque. A composição é gravada pela primeira vez por Francisco Alves, com arranjos e acompanhamento de Radamés Gnattali e sua orquestra. Por causa dessa música, trabalha com os Estúdios Walt Disney e torna-se mundialmente conhecido.

Na política, elege-se vereador pela União Democrática Nacional (UDN), em 1946, e milita pela construção do Estádio do Maracanã. No decorrer da carreira, exerce também a atividade de jornalista, iniciada em 1935, no Correio da Noite, em que comenta temas ligados à rádio, à música e ao futebol. Participa ativamente da defesa do direito autoral e integra diversas entidades com esse propósito. Tem dois songbooks dedicados a sua obra, um de Gal Costa, lançado em 1980, e o produzido por Almir Chediak, em 1995.

Sobre Rafael Barros Castro (arranjador)

Maestro, pianista, compositor e arranjador, iniciou os estudos musicais durante a infância, aos oito anos de idade no IMCP (Instituto dos Meninos Cantores Canarinhos de Petrópolis), onde recebeu as primeiras lições de teoria musical, canto, flauta doce e piano. Durante a juventude prosseguiu os estudos de teoria, harmonia e piano, dedicando-se integralmente à música. Formou-se em técnica de regência pela Pró-Arte (RJ) e em regência orquestral pela UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro). Em 2002 foi laureado com o prêmio Bianca Bianchi de música de câmara em Curitiba-PR, como pianista do Duo Dassié-Castro (violão e piano). Regeu como maestro convidado a OSN – Orquestra Sinfônica Nacional (UFF), a Orquestra Sinfônica da UNIRIO, Orquestra Sinfônica da Escola de Música da UFRJ (ORSEM), e Orquestra do projeto Multiplicidade (Oi Futuro). Desde 2005 é maestro titular e diretor artístico da OSRJ – Orquestra de Solistas do Rio de Janeiro

Nota de Programa
(Por Rafael Barros Castro)

No rol dos grandes compositores populares brasileiros figura um mineiro nascido em Ubá, Ary Evangelista Barroso (1903-1964), dono de uma obra que atravessou fronteiras e apresentou o Brasil para o mundo, tendo na voz de Carmen Miranda uma de suas intérpretes de maior prestígio. Ary foi um artista multifacetado e brilhou também com jornalista esportivo, produtor e apresentador. O piano foi um companheiro dileto nas horas infindas de criação, mas também foi o seu ofício durante um bom tempo tocando em orquestras, no Cinema Íris e também na sala de espera do Teatro Carlos Gomes. 

Sua obra mais executada, o samba exaltação “Aquarela do Brasil”, nasceu em uma tarde chuvosa na sua casa no Rio de Janeiro, e Ary sonhava com a possibilidade de uma gravação com orquestra, aos moldes das canções dos compositores americanos da época, até que o sonho se transformou em realidade quando, Walt Disney, incluiu a obra no filme de animação Alô Amigos.

28 de agosto de 2020
Sexta
https://www.facebook.com/centrodeartesuff/
https://www.instagram.com/centrodeartesuff/
https://www.youtube.com/centrodeartesuffoficial
https://www.facebook.com/OSNUFF/
https://www.instagram.com/osnuff/
https://www.youtube.com/OrquestraSinfonicaNacionalUFF/

Clementina, Documentário, COR, Brasil, 2018, 75´, livre
De Ana Rieper

Um filme sobre o universo de Clementina de Jesus, cantora revelada aos 63 anos de idade como uma das maiores vozes do samba. Considerada por muitos o elo perdido entre a Cultura Brasileira e as raízes Africanas.

20 de agosto de 2020
Quinta | 19h
Transmissão:
https://www.facebook.com/centrodeartesuff/
https://www.youtube.com/c/CentrodeArtesUFFOficial/

No momento em que a Covid-19 aparece como desafio à prática orquestral e às apresentações artísticas, a tecnologia une dois importantes parceiros para um amplo intercâmbio na área da educação musical: o Centro de Artes da Universidade Federal Fluminense, por meio da Orquestra Sinfônica Nacional (OSN UFF), e o projeto Volta Redonda Cidade da Música (VRCM), mantido pela Prefeitura Municipal de Volta Redonda.

Até novembro de 2020, OSN e VRCM desenvolvem uma nova forma metodológica e didático-pedagógica para diversificar e enriquecer o processo musical de 50 jovens com idade média de 15 a 18 anos integrantes da Banda de Concerto e Orquestra de Cordas, com uma cooperação que envolve também a Secretaria Municipal de Educação e a Fundação Educacional de Volta Redonda (FEVRE). O escopo da parceria, iniciada no dia 1° de julho, também inclui lives especiais para os alunos com residentes da Universidade Federal Fluminense – os grupos Música Antiga da UFF e Quarteto de Cordas da UFF e o fagotista Jeferson Souza (OSN UFF) – além da produção de um documentário sobre o intercâmbio educativo-musical.

São ministradas aulas virtuais de clarineta, contrabaixo, flauta, percussão, trombone, tuba, trompa, trompete, viola, violino e violoncelo. Na prática, uma plataforma de videoconferência aproxima os 35 músicos profissionais dos jovens estudantes, que são orientados por monitores e professores do projeto.

Quando possível, as aulas são realizadas com a estrutura on-line das dependências do projeto Volta Redonda Cidade da Música, no bairro Vila Mury, atendendo a todos os protocolos sanitários e de distanciamento. O trabalho musical é desenvolvido com exercícios de técnica diária do instrumento e sugestão de repertório pelos professores, a partir do que cada aluno vem estudando. Aprender e ensinar música, ensaiar e ampliar a experiência artística dos participantes são só algumas das consequências do intercâmbio, onde ambos os lados têm muito a oferecer.

No momento em que a UFF completa 60 anos de fundação, a OSN, que existe há 59 anos, reafirma sua missão de fomentar e difundir a música brasileira de concerto e vem acumulando experiências no campo da educação, realizando aulas de campo, concertos didáticos, projetos itinerantes e extensionistas no estado do Rio de Janeiro, consolidando-se como uma das principais orquestras do meio musical brasileiro. O projeto Volta Redonda Cidade da Música; criado e idealizado há 46 anos pelo professor e maestro Nicolau Martins de Oliveira e hoje também é coordenado pela maestrina Sarah Higino e pelo maestro José Sérgio Torres da Rocha; Volta Redonda Cidade da Música; abrange 39 escolas da rede Municipal de Ensino, alcançando 4.600 crianças, adolescentes e jovens, dos Ensinos Fundamental e Médio. É considerado um celeiro de talentos e, de 1974 até hoje, já formou uma série de músicos que se profissionalizaram em conjuntos e orquestras no Brasil e no exterior.

Site da Orquestra Sinfônica Nacional UFF 
http://www.centrodeartes.uff.br/osn/

Página do projeto Volta Redonda Cidade da Música
http://www.facebook.com/projetovrcidadedamusica/

EQUIPE

INSTRUMENTO

PROFESSOR

MONITOR

ALUNO

Flauta

Helder Teixeira

Jean Silva

Bruna Dutra

 

     

Trompete

Flávio Melo
Nelson Oliveira

Beatriz Costa

Paulo Ricardo Oliveira,
Osana Pereira e Camila Lopes.

 

     

Trompa

Marco Vilas Boas
Dayanderson Dantas

Alberto Richeli Siqueira

Felipe Portugal

 

     

Trombone

Ezequiel Alexandre
Sergio de Jesus

Thiago Gomes

Renata Patrícia Siqueira,
Renata Cristina dos Santos                      
e Juliana  Gomes.

 

     

Tuba

Carlos Vega

Raquel  Ramos

Vitor Hugo Vilete e Arnaldo Nilo.

 

     

Clarinete

Tiago Teixeira
Cesar Bonan
Anderson Alves

Rian Camilo

Ana Luisa de Souza,
João Pedro Souza,
Henrique de Almeida
e Allan Albeirice.

 

     

Violino

Yuri Reis
Aysllany Edifrance

Allysson Gomes
Greice Kelly de Souza

Charlys Luiz Geraldo, Frederico Sudal, Beatriz Marques, Filipe Firmino da Silva, Gabriel Gonzaga, Laís Furtado,

Luiza Furtado, Paulo Vítor Alves
e Ronaldo Simões

 

     

Viola

Reneide Simões

Verônica Netto

Natã Faria
Rayssa Kobi,
Pedro Henrique Caetano
e Maria Eduarda Oliveira.

 

     

Contrabaixo

Gael Lhomeau

Daniel Magalhães

Pedro Henrique Soares,
Guilherme Leite
e Gleidson Leite.

       

Violoncelo

Ronildo Cândido Daniel Silva

Mariana Pimenta

Thainá Firmino, Laura Batista,
Bárbara Lopes, Laísa Batista
e Hanna Ribeiro.

       

Percussão

Paulo Bogado
Sergio Naidin
Nirailton Nascimento
André Melo

Gabriel Galdino

Júlia da Silva,
Andrei de Matos
e Ludmila Queiroz.

 

 Sarah Higino (VRCM)

Waldyr Leonel (FEVRE)

Ana Paula Cerbino (OSN UFF) Tiago Teixeira (Clarinetista OSN UFF)

Gabriel Galdino (Aluno de Percussão)

Henrique Almeida  (Aluno de Clarineta)   

 

INSTITUCIONAL

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
Orquestra Sinfônica Nacional – UFF

Antonio Claudio Lucas da Nóbrega
Reitor

Fabio Barboza Passos
Vice-reitor

Leonardo Guelman
Superintendente do Centro de Artes UFF

Juliana Amaral
Coordenadora de Música do Centro de Artes da UFF

Ana Paula Cerbino
Diretora Administrativa da OSN UFF

 

PREFEITURA DE VOLTA REDONDA

Samuca Silva
Prefeito Municipal

Maycon César Inácio Abrantes
Vice-Prefeito

Rita de Cássia Oliveira de Andrade
Secretaria de Educação

Waldyr Leonel Tonolli Bedê
Diretor Presidente da Fundação Educacional de Volta Redonda – FEVRE

 

VOLTA REDONDA CIDADE DA MÚSICA

Nicolau Martins de Oliveira
Maestro idealizador e responsável do Projeto Volta Redonda Cidade da Música

José Sérgio Torres da  Rocha
Maestro da Banda de Concerto

Sarah Higino
Pianista, Regente da Orquestra e Coro e Coordenadora musical e pedagógica do Intercâmbio Musical – OSN UFF & Projeto Volta Redonda Cidade da Música 

José Sérgio Torres da  Rocha
Maestro da Banda de Concerto

Ex Pajé, Documentário, COR, Brasil, 2018, 81´, livre
De Luiz Bolognesi

Perpera viveu na floresta sem contato com os brancos até os 20 anos de idade. Era um pajé poderoso. Após o contato do povo Paiter Suruí com o homem branco, em 1969, ele foi acusado pelo pastor evangélico de ter parte com o Diabo e constrangido a se tornar um porteiro da igreja Evangélica, renunciando aos seus poderes de pajé. Reduzido a zelador da igreja, ele vive com medo do escuro porque os espíritos da floresta estão furiosos com ele. Mas quando alguém da aldeia vê a morte de perto, seus poderes de falar com os espíritos ainda podem ser valiosos.

Curtas coletivo Ascuri:
Yvyra’i Jeguá – 6 min
Ary Vaí – 5 min
Teko Marangatu – 5 min

Direção coletiva Ascuri
Montagem e fotografia: Kiki Concianza, Gee B. Pedro, Fábio Concianza

Sessão seguida de debate com o diretor Luiz Bolognesi e os cineastas Kiki Concianza, Gee B. Pedro. Mediação Pedro Gradella.

13 de agosto de 2020
Quinta | 19h
Transmissão:
https://www.facebook.com/centrodeartesuff/
https://www.youtube.com/c/CentrodeArtesUFFOficial/

No dia 14/08, sexta, às 16h, o Música Antiga da UFF dará continuidade à segunda parte da live “Sons do Passado”, agora abordando os instrumentos renascentistas. Com moderação da gambista Kristina Augustin, que é chefe da Divisão de Música de Câmara da UFF, os musicistas Leandro Mendes e Mario Orlando, integrantes do Música Antiga, explicarão um pouco sobre seus instrumentos, como viola da gamba, krumhorn, flauta doce, alaúde, com imagens e exemplos musicais de vídeos antigos do conjunto.
 
A transmissão será realizada simultaneamente pelas páginas no Facebook do Música Antiga da UFF e do Centro de Artes UFF e YouTube do Centro de Artes UFF. Imperdível!

14 de agosto de 2020
Sexta | 16h
Transmissão:
https://www.facebook.com/musicaantigauff/

https://www.facebook.com/centrodeartesuff/
https://www.youtube.com/c/CentrodeArtesUFFOficial/

0 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

WordPress Video Lightbox Plugin