Conteúdo Principal
UFF - Universidade Federal Fluminense
kuvars klinik dudak dolgusu ankara elektronik sigara betgaranti pulibet kolaybet maksibet deneme bonusu betpark 1xbet betgaranti Deneme Bonusu Bahis Forum bonus veren siteler 1xbet betsat betboo betvole betpasyeni.com deneme bonusu vdcasino vdcasino giriş vdcasino sorunsuz giriş vdcasino yeni giriş gaziantep escort istanbul escort gaziantep escort bayan izmir bayan escort escort bodrum escort görükle samsun escort betpasyeni.com mersin escort marmaris escort

Com amor, Vinicius

Sessões:
18/01 (Sex) 20:00 - 19/01 (Sab) 20:00 - 20/01 (Dom) 19:00
25/01 (Sex) 20:00 - 26/01 (Sab) 20:00 - 27/01 (Dom) 19:00

 

Musical mostra o lado mais humanista do poeta Vinicius de Moraes ao resgatar parte de seu legado artístico e emular o formato de show.

A partir dos anos de 1970, quando os shows de música migraram em definitivo das boates para os teatros, Vinicius de Moraes (1913-1980) adotou um formato de apresentação que seria sua marca até morrer. O grande poeta e compositor subia ao palco tendo a companhia de um exímio violonista e de uma cantora de timbre marcante. Pois esse formato de show é o ponto de partida de “Com amor, Vinicius Ou como sobreviver nesta selva oscura e desvairada”, novo musical de Hugo Sukman e Marcos França, que fecha a trilogia composta por “Deixa a dor por minha conta”, sobre Sidney Miller, e “Nara – A menina disse coisas”, sobre Nara Leão. No musical sobre Vinicius, o protagonista é vivido pelo próprio idealizador do projeto, Marcos França, que divide a cena com a cantora Luiza Borges, com o violonista Victor Ribeiro e com o percussionista e baterista Matias Zibecchi. O espetáculo tem direção de Ana Paula Abreu.

O modelo de apresentação consagrado por Vinícius não era algo engessado. Tinha um quê de informalidade. Ele cantava, recitava poemas e tinha com o público uma conversa franca sobre temas que julgava pertinentes. Enquanto o violão era dedilhado, por exemplo, por Dori Caymmi num primeiro momento, e por Toquinho (um dos seus parceiros musicais mais freqüentes), a cantoria ficava a cargo de nomes expressivos como Maria Bethânia, Maria Creusa, Clara Nunes, Marília Medalha, Joyce, Miúcha e até mesmo o Quarteto em Cy. Muitos desses encontros originaram LPs (o com Clara Nunes rendeu o histórico “O poeta, a moça e o violão”).

E é esse clima que autores, atores e direção de Com amor, Vinicius resgatam. O roteiro traz canções emblemáticas do poeta com seus muitos parceiros Pixinguinha, Tom Jobim, Carlos Lyra, Baden Powell, Edu Lobo, Chico Buarque e o já citado Toquinho misturadas a textos (poemas e trechos de cartas) e a algumas de suas falas, reproduzidas a partir de entrevistas dadas por ele. Estão lá, por exemplo, “Janelas abertas” (com Jobim), “Gente humilde” (com Chico Buarque sobre melodia de Garoto), “Maria Moita” e “Sabe você” (ambas com Lyra), “Mais um adeus” (com Toquinho) e “Berimbau” (com Baden), entremeadas a poemas como “Pátria minha”, “Poema de Natal”, “Operário em construção” e com “A carta que não foi mandada”, entre outros.

O musical não se atém somente a emular um formato de show. Também não se propõe a ser didático ou biográfico, seguindo a linha comum a muitos musicais de ir do início ao fim da vida artística de um personagem. O que o público irá conhecer são algumas das facetas que compuseram a persona de Vinicius de Moraes. Trata-se de um Vinicius terno (o poeta não era dado a rompantes e ataques, ao contrário de muitas celebridades de hoje), mas um Vinicius em total sintonia com questões sociais da vida, mais ligadas ao que conhecemos como direitos humanos, e também preocupado com o fim das liberdades, fossem elas a de expressão, artística, e mesmo a de ir e vir.

Para fazer deste retrato o mais fiel possível ao personagem, a dramaturgia tem como pilares três épocas diferentes. A montagem começa em 1969, com um esbaforido poeta chegando atrasado a um show devido aos protestos populares que ocorriam na cidade. Volta ao ano de 1964, quando o golpe militar instala-se derrubando assim o sistema democrático de governo, avançando em seguida até a década de 1970, onde a narrativa se estabelece. Nestes tempos em que muito se reivindica um “lugar de fala (ou da fala)”, o público poderá (re)conhecer um homem que, em nome do seu amor à vida e à liberdade, falou por todos nós, independentemente de etnia, credo e demais preferências. Com amor, sempre.

Ficha técnica:

Com amor, Vinicius

Com: Marcos França (Vinicius de Moraes), Luiza Borges (cantora),  Victor Ribeiro (violão) e Matias Zibecchi (bateria e percussão)

Roteiro e idealização: Hugo Sukman e Marcos França

Direção: Ana Paula Abreu

Direção musical: André Siqueira

Iluminação: Luiz Paulo Nenem

Cenografia: Pati Faedo

Figurinos: Marcela Poloni e Rafaela Rocha

Desenho de som: Branco Ferreira

Programação visual: Thiago Ristow

Fotos: Rafael Blasi

Assessoria de imprensa: Christovam de Chevalier

Operador de luz: Mário Júnior

Gestão de leis de incentivo: Natalia Simonete

Produção Executiva: Rayes Produções Artísticas

Direção de produção: Ana Paula Abreu e Renata Blasi

Produção: Diálogo da Arte Produções Culturais

Realização: Informal Produções Artísticas e Diálogo da Arte Produções  Culturais

De 18 a 27 de janeiro de 2019
Sextas e sábados, às 20h, e domingos, às 19h
Teatro da UFF
Rua Miguel de Frias 9, Icaraí, Niterói - RJ
Ingressos: 50,00 (inteira) / 25,00 (meia entrada)
Classificação: Livre

VÍDEO

Sem vídeos no momento

Você também pode gostar...

Procure outras atrações

0 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

WordPress Video Lightbox Plugin